Sistema de alta fidelidade. Potência e design ao serviço do som

IS-22 by Pioneer: design agressivo, grande poder para um público jovem

Ao escolher um sistema hi-fi, é preferível favorecer aspectos técnicos ou musicais? A quantidade de watts ou a qualidade do som? O propósito de uma reprodução é essencialmente tirar o máximo proveito do meio e então retornar o evento original como estava no momento do registro. No ambiente doméstico não é necessário ter uma potência que não pode ser explorada, enquanto é aconselhável focar nas características qualitativas do sistema hi-fi, que deve ser capaz de reproduzir todas as freqüências dos sons mesmo em volumes reduzidos. Há dois anos, a Pioneer lançou um mini-oi-fi no mercado criado em torno das opiniões coletadas por uma pesquisa que investigou entre os meninos para aprender sobre as características de seu sistema de áudio ideal. O IS-21 conquistou o gosto do consumidor assim que apareceu nas lojas. Em 2001, a empresa decidiu propor a continuação do modelo original, batizando IS-22: a mesma ideia de design está na base do novo aparelho, para atender às expectativas de um público jovem, graças a características únicas. Um design agressivo une uma alta potência, um ótimo desempenho dos graves, detalhes técnicos que destacam a diferença em comparação com a tradicional hi-fi.

Sintonizador RDS, CD player e dois alto-falantes

O sistema deste sistema de alta fidelidade consiste em dois corpos separados com desenvolvimento vertical: a unidade central é dedicada às fontes, a outra à amplificação. O amplificador pode fornecer até 100x2 watts de potência e possui um indicador visual da potência do LED azul. A unidade central inclui um CD player equipado com uma porta deslizante vertical motorizada, um sintonizador RDS com sistema de sintonia automática e a possibilidade de armazenar até 30 estações; um único gravador de cassetes com comandos lógicos automáticos, Dolby B. O sistema também possui dois alto-falantes de 3 vias com grandes woofers, capazes de melhorar cada tipo de som. Uma saída digital óptica significa que o sistema pode ser conectado a um gravador de CD ou MiniDisc. Um soquete de fone de ouvido e um controle remoto são fornecidos. Duas versões estão disponíveis: uma com difusores cromados à vista, maior do que o corpo central, a outra com corpo central e alto-falante da mesma altura. O último modelo também é equipado com uma grade removível, para transformar a aparência do sistema deixando a superfície do subwoofer descoberta. O novo Pioneer NS-F10 pode ser montado na parede, consistindo de um CD player, sintonizador RDS e amplificador. O componente principal inclui um sintonizador RDS, CD player e dois alto-falantes. No chão, estão colocados o amplificador e o subwoofer, que podem formar um único corpo e ocupam menos espaço. Os recursos incluem uma potência RMS de 30 watts x 2 satélites e 50 watts de subwoofer, o sintonizador com funções RDS, o controle remoto e a abertura automática da porta do CD.

Sistema de alta fidelidade. Potência e design ao serviço do som: sistema Hi-Fi da Sony

Hoje, o MiniDisc é um dos suportes mais versáteis para gravação de áudio de qualidade: em torno deste formato, a Sony desenvolveu e aperfeiçoou ao longo do tempo os sistemas de codificação associados, apresentando este ano dois novos kits de interface PC-MiniDisc., para os fãs de música de PC, que querem uma ferramenta de software de hardware completa, poderosa e versátil, capaz de apoiá-los na gestão criativa da música digital. Um dos dois kits inclui um pequeno adaptador para conectar o soquete PC-Link do MiniDisc à porta USB do PC e um poderoso software que permite baixar arquivos de música diretamente para o MD a partir do disco rígido do seu computador. Também é possível gravar de CD e rádio, monitorando a gravação diretamente do PC. Os últimos nascidos na área de MiniDisc são o gravador MDS-JE770 e o gravador de MD player com o CD player MXD-D40, ambos equipados com o terminal PC-Link para conectá-los à porta USB de um computador comum. Graças ao uso do software MD Editor fornecido, é possível ter a lista de faixas e faixas, para cortar e juntar gravações, para realizar repetições e montagens. Com um reprodutor de CD ROM também é possível fazer cópias e despejos de uma unidade para outra, como ao copiar um arquivo no disquete: assim que a faixa desejada for encontrada, arraste-a para o diretório MiniDisc para copiá-la.