Eco-incentivos 2010, a casa eficiente é recompensada

Eco-incentivos para uma casa mais verde

A operação de bônus prevista pelo decreto de lei de incentivo de 2010 lançado pelo Conselho de Ministros está começando na próxima semana (15 de abril).

300 milhões de euros foram alocados e a maioria dos fundos recompensará a eficiência energética de nossas casas.

Na verdade, os incentivos ecológicos estão disponíveis para a compra de eletrodomésticos Classe A (50 milhões), móveis de cozinha (58 milhões) e residências cuja economia de energia é certificada (85 milhões).

Incentivos para Eletrodomésticos

Eco-incentivos disponíveis para quem deseja substituir eletrodomésticos: desconto de 20%, até o máximo de 500 euros, para a instalação de capuzes elétricos; um desconto de 20%, até um máximo de 80 euros, em vez disso, para fornos elétricos e placas e um máximo de 130 euros de desconto, finalmente, para uma nova máquina de lavar louça.

Eco-incentivos 2010, a casa eficiente foi recompensada: Incentivos para Móveis de Cozinha e Casas Ecológicas

Se decidir substituir o mobiliário de cozinha, o desconto de incentivos ecológicos equivale a 10% do custo e o limite máximo de contribuição única de 1.000 euros, para a substituição da cozinha em uso por aparelhos modulares e incorporados. alta eficiência energética (Classe A).

Dependendo da eficiência energética do edifício, a quantidade de incentivos para a compra de casas ecológicas varia. Os valores de referência são aqueles estabelecidos pelo Decreto Legislativo 192/2005.

A contribuição é igual a € 83, com um máximo de € 5.000, por metro quadrado de área útil, para propriedades que garantam uma economia de energia de 30%. O desconto é de 116 euros, com um máximo de 7 mil euros por metro quadrado, se as poupanças garantidas forem de 50%. Ao avaliar a eficiência energética da casa, a certificação energética é essencial, obrigatória para novos edifícios e para renovações gerais.

A possibilidade de realizar algumas atividades de construção também é ampliada e simplificada. De fato, não é mais necessário apresentar o DIA (notificação do início da atividade) ao município para manutenção de rotina e para algumas intervenções de manutenção extraordinárias, se elas não dizem respeito às partes estruturais do edifício ou não prevêem um aumento no número de unidades imobiliárias ou não implicam um aumento em relação aos parâmetros urbanos já existentes. A simplificação burocrática diz respeito à instalação de painéis solares, fotovoltaicos e térmicos, às obras de pavimentação ou acabamento de espaços externos, às áreas de lazer e ao mobiliário das áreas adjacentes dos edifícios.