Conta térmica 2.0, um guia para novos incentivos

Conta Térmica 2016

A nova conta térmica 2.0 entrou oficialmente em vigor desde 31 de maio de 2016. São muitas as inovações introduzidas e, como um todo, é fortemente renovada com relação ao decreto de 2012. Mas para que serve? Em primeiro lugar, é necessário dizer que, com a Conta Termal de 2016, é possível reconstruir seus edifícios para melhorar seu desempenho energético, reduzindo os custos de consumo e recuperando rapidamente parte das despesas incorridas. É uma ferramenta útil para as administrações públicas e privadas, pois permite que você exerça o papel fornecido pelas diretivas sobre eficiência energética, ajudando a construir um país mais eficiente. O novo mecanismo de incentivo, que é administrado pela GSE (Energy Services Operator) - a empresa pública que promove o desenvolvimento de fontes de energia renováveis ​​e eficiência energética na Itália - diz respeito a vários assuntos: Administrações Públicas (por cerca de 200 milhões), empresas e indivíduos que terão acesso a fundos no total de 900 milhões de euros por ano.

Nova conta térmica que muda

Há muitas inovações contidas neste novo decreto do Ministério do Desenvolvimento Econômico que, além de ampliar os métodos de acesso e as partes admitidas, efetivamente introduz novas medidas de eficiência energética. Primeiro de tudo, o tamanho das plantas elegíveis foi aumentado, enquanto o procedimento de acesso direto para dispositivos de catálogo foi simplificado. Na frente de incentivo, a Conta Térmica 2.0 estabelece o aumento do limite para o desembolso em uma única parcela (dos 600 anteriores para os atuais 5.000 euros), proporcionando uma redução nos prazos de pagamento que, no novo mecanismo, passam de 6 para 2 meses. Entre outras novidades também a possibilidade de efetuar o pagamento on-line e por cartão de crédito para certificar os custos incorridos. O catálogo de eletrodomésticos com uma potência térmica útil nominal menor ou igual a 35 kW é então estabelecido. Na prática, ao adquirir um dos produtos dessa lista, você acessa um processo simplificado para preencher o formulário de inscrição, no qual não é necessário indicar os dados técnicos e de desempenho do gerador. No que respeita aos geradores de calor de biomassa, a sua potência térmica nominal máxima permitida passa de 1 MWt para 2 MWt, enquanto a obrigação de registo de caldeiras de biomassa com potência térmica superior a 500 kW foi eliminada com o consequente acesso dirigido a incentivos. O novo mecanismo acrescenta, para as Administrações Públicas, novas intervenções, como por exemplo, a transformação em "edifícios de energia quase nula" (os chamados nZEB). Tanto os particulares como as administrações públicas poderão utilizar a Esco (Empresa de Serviços Energéticos ou empresas que têm como objetivo a economia de energia e eficiência energética) para a concepção e implementação de intervenções.

Conta de receita de incentivo

Os incentivos fornecidos pela Conta Térmica 2.0 são múltiplos e para cada tipo de intervenção as despesas elegíveis são definidas para calcular o valor do incentivo, bem como os tetos de custo e o valor do próprio incentivo. Também deve ser notado que eles não podem ser combinados com outros incentivos do governo, com a exceção de fundos rotativos, fundos de garantia e bonificações de juros. Quais são as intervenções incentiváveis? As administrações públicas (e, portanto, não os particulares) poderão solicitar incentivos para medidas de aumento da eficiência energética nos edifícios existentes quanto à eficiência da envolvente do edifício, como o isolamento de paredes e telhados, a substituição de janelas e portas, a instalação de sombreamento solar, iluminação interna e tecnologias de automação predial, ou no que diz respeito à substituição de sistemas existentes de climatização de inverno por outros de maior eficiência, como caldeiras de condensação. Intervenções incentiváveis ​​para particulares, por outro lado, são aquelas de pequenas dimensões de produção de energia térmica a partir de fontes renováveis ​​e de sistemas de alta eficiência como a substituição de usinas existentes por geradores alimentados por fontes renováveis ​​(bombas de calor, para ar condicionado também combinado para água água quente, caldeiras, fogões e lareiras a biomassa, sistemas híbridos com bombas de calor) ou a instalação de sistemas solares térmicos também combinados com a tecnologia de refrigeração solar para a produção de frio a partir de uma fonte de calor. O acesso aos incentivos pode ser feito de duas maneiras: para acesso direto, caso em que o pedido deve ser apresentado no prazo de 60 dias a partir do final dos trabalhos, ou por reserva, e neste caso um primeiro pagamento antecipado será feito. começar e equilibrar no final dos trabalhos. Em geral, com a Thermal Account 2.0, os incentivos são mais altos e estão especificados no manual de informações elaborado pelo GSE.

Conta térmica 2.0, guia para novos incentivos: Portaltermico

Para acessar os incentivos para a Conta Térmica 2.0, o GSE montou um portal dedicado na Internet. Chama-se PortalTermico e através desta ferramenta é possível preencher e enviar a documentação necessária para admissão ao incentivo no prazo de 60 dias a contar da data da conclusão da intervenção. O formulário de candidatura a preencher deve conter todas as informações relativas à propriedade objeto da intervenção e às características específicas da intervenção para a qual o incentivo é solicitado. No Portaltermico é possível enviar pedidos em acesso direto, enquanto para instâncias com acesso a reserva, as funções do Portal serão ativadas posteriormente, após informar o site. O aplicativo está disponível conectando-se à Área do Cliente GSE.